quinta-feira, 13 de julho de 2017

Resenhas marginais - AMARGA PAIXÃO.

Resenha do livro: “Amarguras de uma paixão, de Marah Mends.


AMARGA PAIXÃO.
Por Germano Gonçalves.

Falar de amor seria a mesma coisa de falar sobre paixão? Isso meus caros leitores vocês terão que descobrir lendo essa maravilhosa e empolgante obra, que traz a paixão como ela é um sentimento humano intenso e profundo, marcado pelo grande interesse e atração da pessoa apaixonada por algo ou alguém. E a autora vem resgatar a paixão, onde ela mais flui, na adolescência, entre os jovens que freqüentam a escola, onde acontecem muitos contrastes sociais, e os comentários de beleza, auto-estima e até a prática das formas de atitudes agressivas – sejam elas verbais ou físicas – que acontecem sem aparente razão ou motivação clara, é isso nos deixa uma reflexão que vai persistir na leitura, e você leitor terá que refletir se; Quem ama não maltrata, ou a pertinente frase – “Fiz por amor”.
É isso que vai ligar firmemente, você e a obra. Notarei que a autora nos passa ficha de alguns personagens do romance, eu achei uma ideia brilhante colocar essa descrição conjunto dos dados relevantes de algo ou alguma coisa e dados pessoais.
Pois bem vamos à obra. Capítulo I a Chegada (p.31), Bem vindos à Mogi das Cruzes, é aqui que passa todo o romance juvenil de Marah Mends, mais precisamente em uma escola local, a chegada na nova vizinhança, de novos alunos, à volta ás aulas, muitas novidades entre os adolescentes, as amizades leais, novas amizades, novas paixões, acompanhadas de intrigas e muito interesse pessoal.
Veja só temos um novo vizinho pintando na Vila! As menininhas adoraram. O tal parece ter agradado aos paladares mais exigentes. (p.33).
Considerei muito achei apropriado, a autora em seu romance usar um local como uma escola, e essa escola sendo a mais popular de Mogi das Cruzes, e ainda por cima levar o nome de Mario de Andrade. Homenagem ao grande poeta, musicista, professor, folclorista, participante da Semana da arte moderna de 1922. (p.43) este é o fim a que se destina.
E vamos além nessa obra, tudo que surge de novo, uma causa, uma ideia, uma conquista vai causando um desejo irrefreável de possuir ou gozar o que é de outrem, isso a autora nos traz muito bem elaborado em sua obra.
Penso eu, mesmo porque Mends já foi adolescente e estudante, tenta passar aquilo que é falado ou comentado reservadamente, ou espalhado como boato ou suposição; mexerico, que vai servir de virtude que consiste em evitar a precipitação nos juízos, a imprudência, a impulsividade na conduta.
Sinceridade, amiga? A única coisa que realmente quero pegar é no bumbum daquele carioca. (p.53). Aqui a paixão como o amor se completa, entre os adolescentes e suas amizades.
E o romance vai se passando, no ambiente escolar, e mais legal ainda nessa obra é que, a autora nos resgata aquilo de mais importante dentro de uma escola, o grêmio estudantil, mas com alunos dedicados, interessados em melhorias para o ambiente escolar, e mais ainda fazer da escola um lugar agradável para se participar, envolver a comunidade e todo o entorno em assuntos sociais e culturais. No intervalo após as duas primeiras aulas, Andréia, Regina e Priscila correram para a sala do grêmio. Precisavam acertar com os outros secundaristas, os últimos detalhes para a reprodução em série do jornalzinho semanal. (p.82). E é um corpo de estudantes muito atento nesse grêmio, que fazem até o papel de jornalista.
A autora também soube colocar bem as divergências que sempre acontecem no meio dos alunos, isso meus caros leitores vocês vão perceber bem, quando lerem essa obra. Uma obra dessa natureza deve estar é dentro das escolas, pressinto que colaboraria para se ter mais união entre os alunos, e cada pessoa saber entrar e sair, de qualquer lugar sem se machucar, ou ser machucado.
A paixão pelo próximo, paixão carnal propriamente dita, paixão pelas causas sociais, as lutas e os movimentos, tudo em busca da paixão absoluta
Amigos, escola, grupos de garotos e garotas, mentiras, amizades, erros, amores, traições, sexo, sofrimento, conflitos, morte, lembranças. Vários jovens problemáticos e hilariantes prontos para te amarrar na história deles. Fascinante o que a autora nos traz, perguntas que ficarão em nossas memórias, até onde a amizade pelo próximo chega? E quando o amor não dura? Estão lançadas as perguntas caros leitores, este livro vai te surpreender e deixar no ar uma resposta a qual terá de responder, adquire o livro e se arrisque em responder, aceite este desafio que a autora nos propõe.
Você não vai conseguir para de ler.
O romance está em torno de Beto (Alemão) e Monica (modelo), e seus amigos e inimigos, Fabiano, Andréia, Ézio, Regina entre outros. Talvez você leitor vai se identificar com esse drama.
Eram sempre os mesmos papeadores, as mesmas figurinhas carimbadas: Regina, Ézio, Andréia, Thomeu, Rubens, às vezes Priscila, Mônica e agora... o mais recém chegado da turma: Beto. (p.118).
O livro está chegando ao fim, ou melhor, essa resenha, pois a obra jamais terá fim, mesmo porque este romance é só a primeira parte imagine o que vem por aí, e vocês não poderão perder a oportunidade de ler a segunda parte de Amarguras de uma paixão.
Não vou aqui relatar toda a obra, como podem observar, mas quero finalizar dizendo: Que está obra é uma publicação independente da autora Marah Mends. Um livro que tem uma leitura a meu ver fluída e inteligente, que conta através de fatos complicados e toda confusão que cerca os adolescentes, e ainda é um livro que podemos dizer que tem duas vertentes em se tratando de gênero literário, sendo um romance, infanto-juvenil/juvenil. Espero que gostem desta resenha, e com isso possam sentir o prazer imediato de adquirir a obra.
Será que você já passou por uma Amarga Paixão.

 Valeu! 


Um comentário:

Poesia é da hora disse...

Professor, que honra a minha ler essa resenha tão rica, cheia de detalhes e instigante! Agradeço de coração pelas palavras e pela força constante que presta ao trabalho literário!

Grande abraço, mestre!