sábado, 11 de abril de 2015

O EX-EXCLUÍDO - poemas e prosas.

SOBRE A OBRA.


O livro de Germano Gonçalves é autobiográfico, no qual o eu lírico e o narrador se prendem estritamente ao autor. Não podendo separá-los, precisamos entender que muitas informações citadas na obra não são referenciadas devido ao fato de estarem no imaginário do autor, atrelado a diversas fontes que excedem ao de fontes comprovadamente confiáveis, construindo um senso crítico próprio e próximo do que a periferia permite aos seus.
O autor quebra barreiras entre a história e sua interpretação dela, expondo suas opiniões de forma distinta e baseadas nas suas próprias experiências.
O livro se mantém muito próximo do desejado e idealizado pelo autor, mesmo  que com algumas alterações editoriais extremamente necessárias, garantindo ao autor a sua realização pessoal no produto final.
Pelo fato de ser autobiográfica, a obra fala da história de muitos  de seus leitores. Devido a isto, ainda há momentos “metapoéticos”, pois possui poesias versando sobre poesia. E ainda podemos identificar em alguns textos um tom motivacional, que se dirige a quem escreve e quem virá a escrever, incentivado estes autores à trilhar o caminho da literatura.
Devido ao fato de ser fã de Raul Seixas, a capa é inspirada em um álbum do cantor. Raul não se restringe a inspirar somente a capa, como podemos encontrar pelo livro muitas frases suas compondo a obra de seu discípulo. Em uma resenha feita sobre o livro caseiro que Germano carregava até então, Elielson nos diz:
 “Germano se desnuda na obra em suas mãos”. Ao terminar a leitura, parece que já o conhecemos de longa data. Ele faz uma excelente crônica da periferia. Veterano das quebradas, fala de um tempo em que eram comuns as rodas em torno da fogueira e a garrafa de vinho Natal passando de mão em mão. No violão mais uma do Raul.
O cantor é fundamental na vida de Germano Gonçalves, e sua principal influência em termos de visão de mundo e estética. O gosto pelo rock, a inquietação diante das injustiças e uma visão um tanto difusa sobre as desgraças do povo vêm do velho Raul.”
 Antônio Elielson Leite
É historiador, programador cultural  e coordenador do Programa de Cultua da ONG Ação Educativa.
Além da estética e das temáticas de Raul Seixas, o poeta traz PRINCIPALMENTE a sua experiência com o RAP e o Hip Hop, onde se encontrou e se deixou levar para a literatura, caminhando ainda hoje dentro deste movimento cultural tão próprio das periferias.
Há a crítica social relacionada ao seu meio e direcionada em alguns momentos às autoridades. Dos temas do cotidiano ao que se refere à artes literária, o autor acaba mostrando a sua libertação da margem social para um local que vai além de se incluir na sociedade, ele busca mostrar que é um “ex-excluído”, mas nunca se equipara negativamente ao alienado burguês atual, e nem mesmo àqueles que estão no topo da pirâmide social.
Ama a poesia e as escreve bem, tente ler em voz alta e perceberá que o trabalho vai além da rima. É um autor quando escreve poesia e outro quando escreve prosa. O livro traz algumas destas últimas, na segunda parte. Utilizamos o termo "prosa" devido ao fato de ser um conjunto de textos que vai além de um gênero próprio como o conto ou o relato, temos estes dois e mais alguns outros tipos. A poesia é escrita em verso livre e as prosas são  escritas em mente livre.
Este livro já vem sendo divulgado antes mesmo de a Editora SoMaDi existir, e agora nós presenteamos os leitores com a obra de Germano. Apreciem-na, assim como a vida de um escritor que é um ex- excluído até mesmo da sociedade literária.

SOBRE O AUTOR.



Germano Gonçalves Arrudas, também conhecido como Urbanista Concreto, nome artístico Germano Gonçalves, nascido em São C. do Sul - SP, em abril de 1963, filho de família mineira o pai pedreiro a mãe já falecida, prendas do lar, escreve desde pequeno. Seus primeiros poemas e textos foram publicados em jornais de bairro e informativo de empresas na região que reside.
Publicou um texto na coletânea Meditações, livro de bolso da editora Casa do Novo Autor Editora, intitulado de: “obtenção”.
Possui alguns diplomas por participação em concursos literários, um dos vencedores do concurso da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, com a história do bairro Pq. São Rafael, no concurso cultural, Escritores e seus leitores. “História do meu município, História do meu Bairro”.
Um dos vencedores do concurso de poesia tema: Mulher com a poesia: “Acabaram-se as Maria” do Conselho Regional da Mulher do Município de Jundiaí – SP. Tem a participação na coletânea do escritor Alessandro Buzo no livro: “Pelas periferias do Brasil Vol. 4, participa com uma crônica e um poema”.
Participação no livro do escritor Jean Melo – Crônicas Perdidas – com o conto “O homem que queria todas as coisas – editora scortecci – São Paulo – 2013”.
Um dos vencedores do concurso da SAMA de Mauá – SP, com a poesia “Água Vida”.
Frequentou a Escola Livre de Literatura, na casa da palavra de Santo André – SP,
Faz parte da Casa de Cultura do Parque São Rafael - Projeto  GENTE colaborador na sala de leitura. É oficineiro na Casa de Cultura de São Mateus, com a aficina “A arte da Literatura Periférica”. Também é professor de História na rede Estadual de ensino. Vem ao longo dos anos escrevendo, que foi o meio de se comunicar com o povo para uma vida melhor, passando e adquirindo novos conhecimentos. Define a literatura como algo fascinante.

COMO ADQUIRIR A OBRA DE GERMANO GONÇALVES.

COMPRE JÁ SEU EXEMPLAR: LIVRO O EX-EXCLUIDO
De qualquer parte do Brasil via correio e depósito em conta corrente, e receba em casa com total segurança e qualidade. Por apenas R$ 30,00 reais.
Entre em contato com o autor inbox ou e-mail: oescritor1@hotmail.com  e envie o comprovante de depósito.
Depósito em conta corrente do banco do Brasil. Ag: 7038-6 / C.C. 6.303-7, mais em conta que as livrarias, e sem frete só R$ 30,00. Agradece valeu!

2 comentários:

Antonio Celso Gimenez Jr disse...

Sinto muito orgulho do meu amigo Germano, quero te parabenizar por sua obra e estarei adquirindo um exemplar e após a leitura postar a minha opinião, vlw..

Germano Gonçalves disse...

Será um prazer Celso valeu!