sábado, 4 de abril de 2015

História de vida – RESENHA do Livro Esta é Minha História.


ESTA É MINHA RESENHA.
Por: Germano Gonçalves.

Escrever, escrever, escrever... Há como isso não tem tempo, nem idade, passei as vistas e passei com muito gosto na obra de José Severino Pessoa, e sabem por quê? Mostra uma determinação ao contar a sua história, não para se glorificar-se, mas para ser imortal deixar um legado, mesmo com seus já ultrapassados uns meios século de existência, escreveu e escreveu muito bem seu livro, bem elaborado e, do mesmo modo de ser igual ou na situação dos mais variados romances de nossa literatura brasileira, não falo isso apenas por ter conhecido Pessoa como escritor, mas por ter conhecido e lido sua obra, posso falar com firmeza de quem escreve também, e de quem muito lê se já li muitos clássicos sei que estou diante de uma obra digna de nossa literatura, pois Pessoa nos traz aquilo que todos nós devemos valorizar a nossa história, certo de que a seu modo, de seu estilo literário que ele adotou nessa obra, mas dedicado no que faz.
Essa obra nos traz assuntos que muitos de nós vimos e ouvimos em nosso convívio com a sociedade, trabalho infantil, exclusão da escola e o analfabetismo, porém temos que ater que era uma época em que não tinha políticas publica direcionado a várias áreas da região nordeste do país, hoje se tem a tal de inclusão na educação, não sei se em todos seus aspectos e, nem como esta funcionando essa tal inclusão, mas o assunto aqui é outro, mesmo sendo mencionado no livro de Pessoa, vamos retratar aqui a obra “Esta é minha história”.
Olha só que maravilha logo de cara a obra nos traz conhecimento, Sitio Olhos de Água, no Município Bom Jardim, Estado de Pernambuco, eu me vi nessa região, o surpreendente de ler essa obra são os detalhes contados pelo autor, como a alegria de ir para escola, pela primeira vez depois de tantas negativas do pai, quero ressaltar que o autor é mesmo determinado conseguiu ir à escola, realizou sua vontade e agora realizou um sonho de escrever este.
Nessa obra existem as dificuldades, as barreiras, as tristezas, as perdas tudo contado de fato real, vivenciado pelo autor como também nos traz toda uma cultura de um povo, como as festas religiosas e a resistência que sempre imperou no povo nordestino, como o catolicismo e suas crenças, é ou não é, uma obra rica em conhecimentos, pois traz também as épocas de colheitas, os tempos que são bons para plantação, geógrafos que prestem atenção nessa obra, acho que serve de estudo, e que não deveria ficar fora da escola uma obra como esta, que pode levar muitos conhecimentos aos jovens que desconhecem o trabalho na roça, como tantas outras curiosidades deste nosso imenso Brasil, ainda mais escrito com toda simplicidade de um ser humano, que é capaz de colocar nas suas histórias, coisas banais, de uma população e seus costumes, como os mexericos, intrigas e bisbilhotice.
E na sua eventualidade nos traz as lembranças de suas peripécias e brincadeiras, mas também de sua vida adulta de trabalhador, a gravidez da mulher e a doença, nisso podemos observar nessa obra que o autor faz jus ao seu casamento; “Na alegria na tristeza, na saúde e na doença, até que a morte o separe”. Sim!
Entre a superstição e a vinda para São Paulo, os empregos aqui arranjados para o sustento e a sobrevivência na cidade grande, conta também o encontro com seus conterrâneos e pessoas de sua região, e olha quem tiver a possibilidade de ler este livro de Pessoa, vai se surpreender mesmo, pois ele nos fornece conhecimentos históricos de São Paulo com sua prática da vida; experiência adquirida no seu dia-a-dia, sempre em suas idas e vindas a São Paulo.
O que não falta na obra de Pessoa são as histórias em família, em festas, em passeios, cheios de muitas brincadeiras entre elas o futebol, tantas histórias que Pessoa reservou um capítulo para elas e soube contar com toda a sua forma simples e natural de dizer ou escrever, porque lendo esse livro sentia que o autor estava presente me contando sua história, nós dois sentados em um banco de uma praça qualquer da periferia tanto amada pelo autor, e nessa obra o autor vai de páginas em páginas contanto sua história sempre adiante, mas quando nós leitores percebe ele volta com a história de toda sua trajetória dando emoção na obra com suas lembranças; “Lembranças do dia 03 de abril de 2011” (p.43), e isso nos traz como eu já mencionei conhecimentos não só geográfico, mas das espécies encontradas nas áreas das regiões por onde o autor passou espinhos de calumbi (planta leguminosa que contem espinhos pontiagudos e forma uma moita, onde só os repteis trafegam), são muitas as informações de espécies e coisas de uma determinada localidade.
Histórias e lembranças vão se confrontando com a obra de Pessoa, pelas páginas de sua obra.
Arrisco me dizer que você que gosta de ler, não pode deixar de passar as vistas nessa obra que nos traz via Pessoa a beleza da natureza, a generosidade das amizades, o respeito ao próximo, os valores de uma família que não podemos chamar de conservadoras politicamente, pois as aqui relatadas são famílias simplórias e de uma honestidade invejáveis, o autor nos mostra todo seu amor e carinho para com seus familiares, e nos ensina a ser humilde, dedica capítulos do livro para pessoas de sua extrema consideração, como; “A Josefa e a Maria” (p.63), conta as exigência de Josefa e as peraltices de Maria, conta ainda, a Selina, a Severina e a Erenice, (p.69), isso nos mostra a importância dada a alguém; respeito, deferência, estima, e tantos outros adjetivos que cabem no coração do autor.
Aqui não fosse uma resenha daria para escrever um livro, mas tenho que resumir no estrito limite que conseguir nessa obra, mas lembrar de que é uma obra muito bem escrita e contada, com uma classe em saber voltar ao passado, estando no presente, como um capítulo da obra de Pessoa, onde ele intitula de “Essa é outra história”, (p.97).
E se tomei a liberdade de escrever esta, tenho quase que a certeza de que se não mencionar aqui, como ele mencionou um capítulo para seus avós em; “Meus Avós” (p.79) de nada adiantaria essa resenha, pois este capítulo percebeu que mesmo entre confusões e despedidas o amor entre família esta muito presente na história de Pessoa.
Não sei se por estilo próprio, ou por dar mais ênfase ao livro o autor não só vai e volta nas histórias se confrontando com o presente e depois voltando para as lembranças do passado, o que pude notar também que em alguns capítulos, ele começa com o título tal, e a importância do título fica apenas no começo, no meio e no fim ele nos traz outra história, mas interessantes como às outras, e vamos ser justo com o autor, pois ele deva ser de uma memória inconfundível para contar suas histórias, em varias parte do livro nos deparamos com a frase; “Eu me lembro, disso, daquilo e de mais histórias”, realmente uma memória de escritor, se assim posso determinar, mas percebesse que isso é a sua determinação de sempre estar fazendo algo, não se tornar sedentário, então como ele mesmo afirma que não gosta de ficar parado resolveu escrever, e está de parabéns pelo belo trabalho, tanto na qualidade como no conteúdo.
E Pessoa não poupou os assuntos sociais não, como o SUS, não poupou os políticos, o preconceito, e ele deu nome aos bois sim, de skin heads a Fernando Henrique Cardoso, e até a presidente Dilma, mas também soube dar valor no que conquistou e, no que recebeu de terceiros, e também os benefícios que lhe foram atribuídos pelo seu trabalho em empresas para o sustento de sua família, como ele menciona no capítulo; “Vamos falar um pouquinho de coisa boa”, (p.217) e poder melhor cuidar de si e dos seus. Eu confesso que aprendi muito lendo essa obra, e que fazia muito tempo que não presenciava histórias reais de um individuo que viveu a história, e não por ter vivido a história, mas pela história ser da localidade que é o autor, e ainda quando a obra vai chegando ao fim, o autor ainda tem a capacidade de nos alertar, ao menos quem tem filhos, e ele estende para quem tem netos e sobrinhos dizendo para que cuidem de seus filhos, para com o estudo e seus afazeres, para com o adolescente, jovem e até o adulto, essa é mais uma lição dentre tantas outras que podemos aprender lendo essa magnífica obra.
Fiz aqui a minha descrição pormenorizada dessa, pois quem quiser saber mais adquira a obra, e se delicie como eu nas mais divertidas histórias desse autor que tem muito mais bagagens para fazer quem saiba uma segunda edição, ou até mesmo nos contar mais e mais histórias fantásticas, que sejam reais, tristes, alegres, e até mesmo fictícias, pois com sua memória viva, não será surpresa para nenhum leitor se deliciar com uma história de ficção desse autor que como mencionei com mais de um século de existência nos oferecer uma bela história.
Com toda sua vivência e experiência adquirida ao longo da vida tem muitas coisas para nos contar.
Nada melhor para fecharmos essa resenha aqui direcionada a obra de José Severino Pessoa.
Com o último capitulo do livro; “21 de Julho de 20111”, (p. 283), pensaram que eu iria contar o capítulo, pois bem leiam o livro, mas vou dar uma concepção do capítulo:
“Respeito e educação”. Essa é minha história.  


Um comentário:

jose pessoa disse...

Quando eu lendo essa resenha do livro essa é minha história de Jose severino pessoa escrita pelo professor germano.
Eu fiquei muito emocionado com as suas palavras, com a atenção que ele deu para o meu livro a minha história.
Eu não esperava que ele fosse da uma importância para o meu livro a minha história de vida de alegria e tristeza e sofrimento.
mas de cabeça erguida , eu escrevi o meu livro a minha história.
Eu mim into um homem feliz por ter escrito o meu livro, um livro de história da vida, da família.
Eu acho que sou uma pessoa realizada, uma pessoa seme analfabeta escrever um livro o seu livro , eu não tive medo de pega o dinheirinho que tinha investir em um livro, sem saber escrever, sem saber nem se quer o que estava fazendo, mas eu tinha essa vontade de realizar esse sonho. Sim , porque é um sonho, e eu realizei sou feliz muito feliz.Eu queria que o meu pai tivesse visto essa obra para ver o que eu fiz com o pouquinho de estudo que ele me deu quase a pulso sim foi assim que eu fui a escola, mais eu acho que fiz muito pela minha vida com o que estudei com muita força de vontade.
Eu me acho muito satisfeito com a resenha do professor Germano Gonçalves. Obrigado meu amigo pela importância que você deu ao meu trabalho.Jose pessoa