quinta-feira, 18 de agosto de 2011

O tapete verde

Compre aqui o livro 'O ex-excluído'


O TAPETE VERDE.
Por: Germano Gonçalves.


Logicamente que poderão pensar que é um gramado de estádio de futebol, para surpresa geral de todos não é!
E tamanha foi minha surpresa, minha queridíssima esposa ganhou de presente um tapete, até ai tudo bem caso eu também ganhasse um não veria mal algum, acontece que o bendito, ou melhor, o maldito do tapete era totalmente verde, verde de doer às vistas. Chego do trabalho a tardezinha, ao aproximar da porta da cozinha, o que vejo no chão um tapete, minha ação foi de imediato: - o que quer dizer isso aqui, não tinha outra cor de tapete.
A resposta também veio de imediato.
Qual o problema? - eu não acredito isto é só um tapete, não me vá dizer que é por causa daquele time e nem tem o distintivo, e alem do mais isto é para ser pisado.
Pensando bem, tinha lá suas razões, tudo bem aquele dia passou.
Acontece que todos os dias após aquele tapete se instalarem na porta da minha casa, estavam me incomodando, ficava a pensar: - se alguém visse aquele tapete, e começasse a me chatear, pensava eu - verde não. Dias depois, tentei um acordo com minha esposa para tirar aquele objeto do local, parecendo que era um complô, me disse:
Largue de bobagem, de graças a Deus, que eu não coloquei no nosso quarto, bem na beirada da cama, ainda por cima do seu lado.
Realmente a coisa estava complicando, tentei ser calmo e propus um acordo, e perguntei a minha mulher, se ela não teria ganhado outro tapete, de uma cor assim neutra. Que tal branca foi quando ai a mim me desesperou:
Não! Ganhei cinco e, todos são verdes, onde já se viu tapete branco?
O pior ou talvez o pior estivesse por vim, meu filho presenciava aquela conversa, apenas olhou para mim e quase querendo falar alguma coisa, passou-me um gesto de que sua mãe estava decidida a manter aquele, estofo móvel para colocar próximo das camas e dos sofás e, que pelo meu entender pretendia ficar ali na porta da minha cozinha por um bom tempo.
Até que desse um jeito naquela situação, procurava não ficar perto daquele tecido de lã, seda ou algodão; sei - lá o que, passei a limpar o pé mesmo quando saia de dentro de casa, ao chegar então nem se fala, pisoteava com força máxima, queria gasta-lo o mais rápido possível, poderia ser uma solução, com o objeto gasto e maltratado logo minha esposa, desfaria do mesmo, comecei a notar que meu plano esta sendo em vão, minha esposa nem se tocava em ao menos comentar que o tapete estava ficando feio e velho. Será que teria que conviver com aquilo que me trazia lembranças as quais eu preferia esquecer, pensei em procurar um psicanalista, só pensei seria o cumulo do absurdo, tudo bem fui pensando e os dias se passando,
E um belo dia o meu time do coração foi jogar logo contra quem, o time do maldito tapete, isto na minha concepção e, o trauma já estava instalado na minha cabeça, comecei a pensar na dificuldade que meu time tem de ganhar daquele time de verde, estávamos virando freguês, mesmo quando jogávamos em casa, com toda nossa torcida, até mesmo sendo o favorito, quando o adversário estava mal das pernas, e nós com um elenco para ser campeão. O jogo começou para mim nem acabou já no primeiro tempo meu time perdia, e não dava nenhuma pinta de reação, ai foi demais o jogo acabou e meu esquadrão perdeu novamente. Não tive escolha e tentei outro acordo com minha esposa.
Deixei os dias se passar, e num dia em que não tinha jogo algum nem no radio e quanto menos na televisão, naquele dia não liguei a televisão para ver programas esportivos, mesmo que não seja futebol, naquele dia nada de esporte. Comecei comentando coisas de afazeres domésticos, alguma repara na casa que estava precisando, para depois sem assustá-la falar do maldito tapete, que aquela altura, já se tornava um karma em minha vida um estorvo, melhor dizendo, pensei comigo mesmo; calma e me dirigi à palavra.
Sabe meu amor, estive pensando, poderíamos tingir este tapete com outra cor, sei-lá uma cor assim mais neutra, que tal um azul.
Como todas, e o acordo seriam inúteis de tentar, a resposta foi de imediato.
Esta historia do tapete novamente, pra mim este assunto estava encerrado. Ai eu retruquei.
Encerrado umas pinóias, o que é que você pretende me desafiando, com este tapete.
O silêncio reinou por instante, pensei em dizer a ela, o tapete ou eu, mas me contive seria tamanha estupidez, ter que resolver a questão: como se diz no futebol, no tapetão ou talvez maior ainda tiver que procurar um psicanalista para o caso.
Eu não acredito isto já é maluquice, não tem cabimento. E a confusão foi geral, sai a deixeiela falando, fui para o boteco de um amigo, e nem me toquei que o camarada é torcedor daquele time de verde, entrei pedi uma cerveja e uma doze de vodca para quebrar o gelo e me recuperar do acontecimento em casa, foi quando tive uma grande idéia, já que o meu camarada é torcedor do tal time de verde após alguns minutos lhe chamei a atenção e lhe fiz uma proposta.
Caro colega preciso de um favor seu.
Ele meio apreensivo começou a prestar atenção no que eu comecei a lhe dizer.
Quero que você vá a minha casa, e me preste um grande favor. O cara só me olhava sem nada dizer. E eu continuei.
Lá em casa tem vários tapetes, um deles esta bem na porta de entrada da minha cozinha.
O rapaz ainda sem entender nada, não quis me cortar e continuou a prestar atenção no que eu tinha pra lhe propor. E eu fui logo ao assunto.
Acontece que esses tapetes são verdes, eles combinam muito mais com sua pessoa do que com a minha, portanto, quero que vá lá a casa e ao chegar, fique impressionado com os tapetes e, demonstre total interesse por eles.
Meu colega pensou por alguns momentos, achando ser sacanagem de minha parte, antes que ele falasse qualquer coisa eu disse.
Por favor, eu pago para você se for o caso, mas me faça esse favor, pelo amor de deus e por nossa amizade de anos e anos, se interesse pelos tapetes e faça de tudo para tirá-los lá de casa.
Olhando-me ainda meio sem entender muito que eu queria, apesar de estar claro; livrar-me dos já malditos tapetes ele concordou. E de imediato marquei dia e hora.
Estava eu em casa quando para minha surpresa, já esperada o caro colega dono do bar, bateu palmas em frente ao meu portão fiz com que minha esposa fosse atender minutos depois ela veio em minha direção e disse:
Aquele colega seu do bar esta a te chamar.
Não fiz derrogado e fui atendê-lo já convidando para entrar, para minha satisfação o meu colega de imediato ao observar o tapete interessou por ele, de uma tamanha admiração que eu pensei comigo mesmo, seria meu colega um ator de teatro estava encenando muito bem por ser uma jogada minha e dele, mas tudo bem estava dando certo. E o cara continuou até que minha esposa ficou surpresa e não se conteve, perguntou ao meu colega se ele gostaria de ter aqueles tapetes, o rapaz de imediato disse:
Claro que sim, não somente este como muito deste se estiver eu adoraria tê-los.
Eu no meu canto sem ao menos respirar, observava a conversa dos dois, quando minha esposa disse:
Veja Bem, eu tenho cinco tapetes desses se você gostou tanto posso arrumá-los para você.
Eu não acreditava no que estava acontecendo, mesmo precisando acreditar o Maximo, torcer para que ele levasse aqueles tapetes de minha residência o mais rápido possível, então arrisquei algo.
O que você caro colega, vai fazer com tantos tapetes.
Minha esposa me olhou como quem não desconfiou de nada e doou os tapetes, e disse.
- Deixe meu bem, ele gostou dos tapetes e tenho a certeza que ele não é tão idiota quanto você e, vai saber usá-los bem. Apenas mencionei poucas palavras:
- Tudo bem, eu lhes compro outros meu amor.
Minha mulher tratou de arrumar os tapetes colocou-os em uma sacola plástica e entregou ao meu colega, ficamos ali por alguns instantes, quando ele se despediu e sumiu com os tapetes afora em baixo dos braços.
Dia seguinte já à tarde fui dar uma passada no bar do meu colega, assim que entrei já observei um daqueles tapetes estendido na entrada de uma das portas do bar, me sentido realizado e despreocupado com os tapetes, fui logo pedindo uma cerveja e uma vodca para quebrar o gelo e a agonia que aqueles tapetes fez com que eu passasse por alguns dias realmente tinha acabado, estava feliz por vê-los ali, na minha concepção ficaram ótimos.
Hoje em dia faço questão de limpar os pés no tapete do bar até mesmo quando vou saindo do bar e, quando entro no recinto então eu nem comento.



quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O ESTADO, A EDUCAÇÃO E A FAMÍLIA.


Deveríamos pensar mais nisso, já que dizem que as crianças e os adolescentes assim como os jovens são o futuro do Brasil.
Muito se diz que a educação vem do berço, mas o que dizer do Estado e a escola no papel da educação de uma criança são certos que em uma família estruturada ela tem mais possibilidades de se desenvolver suas habilidades de maneira eficaz.
Não por isso devemos desviar a atenção do Estado e da escola, temos que participar juntos de todas as atividades que envolve os programas de educação e sempre cobrar os resultados de uma operação administrativa, de um governo próprio em relação aos interesses pela educação, pois existem também muitas crianças em situação de risco que dependem da escola como um meio de melhoria para se tornar homens de bens.
O Estado, a educação e a família devem sempre estar aliadas em prol de uma reforma educativa que modifica profundamente os fundamentos escolares e sociais de uma coletividade que permite por em evidencia a pratica de normas e leis que venham a favorecer todas as crianças com direito a educação e dar um suporte também aos adolescentes, jovens e adultos para juntos poderem ensinar com conhecimentos educativos.
A responsabilidade é de todos. O Estado fornecendo subsídios para a melhoria das escolas e manter um padrão de ensino sustentável. A educação com planos de incentivo aos alunos e a carga horária com atividades de desenvolvimentos culturais. Ocupação de uma criança na dedicação das atividades diversificadas. Capacidade de agir a atividade do espírito.
A família orientar e zelar pela criança com demonstração de amor e carinho usando a virtude da paciência para apoiar na sustentação da criança na escola oferecendo boa alimentação e se responsabilizando por toda aparte que lhe cabe para o desenvolvimento mental e espiritual da criança para que ela esteja sempre em condições de aprender.
O Estado, a educação e a família devem andar juntas, pois aqui a educação é para todos.